Página – 6.—Sábado 29 áe Outubro ae 1910 A Penas e jornais que trinaron deindignación no momento em que se pôs em incerteza a. Em qualidade de quê? Em qualidade da superioridade demonstrada pelos lusitanos com o prouncia – mento do 1.° de artilharia e de dezesseis de fuzileiros, que instaurou a república no povo vizinho.

Assim, nem ao menos mais nem ao menos menos: a hegemonia dePortugal! Quem não se lembra o tom sou grato pelas sugestões jornalísticas? Quando a avaliação muda ou se mistifi-ca tão bruscamente, é preciso refrescar a memória e exumar algum testo quereconstituya o espírito anterior e ilumine o regulamento dos homens observadoresacerca da sinceridade ou falácia.os atuais bajulação. Deve ésra resistir com fortuna o impulso de los50 guardas, porrino a pouco eu legaram et o reforço de tropas i” de infantaria, e vários pés de cavalo.o formalizóse desse modo o confronto. JU tiroteio espantou a Lisboa.Por dada muito em breve, caíram feridos de bala alguns soldados.Vários disparos mataram bem como ao leopardo, e como não ac o

forro, apanhe, os feridos de bala, sólohs teve ti é de mordida. Lisboa riiierme trnuqui.a ettíi noite.Kl leopardo eistá d jíimiivam”nte morto.—Co – rrespovsai.t Tal or.-i assim sendo a maneira de lusitanis-mo dominante na capital de Espanha e, a partir daí, refletido e irradiado sobre o assunto lanación.

o Que imaginar do lusitanismo de imediatamente? Diga o leitor, permitiéndomereproducir, por uma vez, alguns parágrafos do post, que um movimento natural indignação e nojo que me fez escrever há cinco anos ao pé desta relação se-legráfica: “a Nossa primeira impressão foi deasombro.

  1. Resolver os conflitos de atribuições entre as diferentes Secretarias
  2. Universidade IDEP
  3. 1 Conceitos-chave
  4. seis narcoterrorismo: 1984-1986

Depois refletimos. O espanto? Na verdade, isso não debeasombrarnos, já que é o pão nosso de cada dia coloque em desenho animado tudo cuantodisuena de nosso diapasão, tudo o que não se amolda servilmente a fórmula é-trecha e fechada de nosso exclusivis – mo. O Q,ué sabemos imediatamente de Portugal?

Sabemos, as patochadas carnes dos reis e dos pes de cavalho, ignorando, mas, diversos españolesque houve um Camtjens, muitas façanhas dignas dê cantor, um o ÁJvarez -Oabral, unaescuela de gloriosos navegadores e até não entendo sidiga umas guerras de Estremoz yVillaviciosa.

As correspondências de balneário devidas a “feriados escritores” férias em aldeias-o tugueseB, constituem uma deplorável modelo de ignórala e um ingrediente de degradação nacional. Quem pertencem os parágrafos anteriores, pra um jornal republicano, Ou carlista, ou seguisse e, um jornal que laacen dura oposição ao governo? S e quinze minutos, presidindo o conde de Romanones.

No banco azul o ministro de Instrucciónpública. Em lugares com pouca concorrência. O senhor Alfaro solicita ao ministro de Fomento dados a respeito da Junta de Obras do Porto de Castellón. • ; • • • • ! Depois é’ dirige ao ministro da Instrução pública, perguntando se você entende que várias freiras de Alcalá kan Vendido uma camada de drenagem de águas pluviais que foi do cardeal Cisneros.