A existência é cheia de dias inesquecíveis. José María Álvarez-Pallete, tais como, tenha em mente aquele em que assumiu a presidência da Telefónica após estar 20 anos pela corporação. Nunca pensou surgir tão remoto, contudo ele estava lá, sozinho, no grande escritório de seu antecessor, César Alierta.

Imediatamente tocava-lhe a ele. Sentiu correto vertigem, nada delicado, e neste momento pôs mãos à obra. Aconteceu há imediatamente 3 anos e, desde desse modo, o gigante espanhol das telecomunicações tem acelerado a sua transformação. A de uma antiga organização de serviços de voz que é hoje uma das dez maiores companhias mundiais do setor. O futuro, efetivamente, é a vasto fixação do presidente da Telefônica, o primeiro em 95 anos de idade, que chega ao posto de dentro da organização. Desse modo, está centrado nos desafios tecnológicos e sociais que nos espera a quarta Revolução Industrial, já em andamento: “A superior transformação tecnológica que tenha famoso o ser humano”.

XL Semanal. A Telefónica cumpre noventa e cinco añso em um mundo onde a média das organizações é de 15. O J. M. Álvarez-Pallete. Você conhece o video O animado caso de Benjamin Button? O que sugere que esses gigantes tecnológcios caminham para o declínio? J. M. A.-P., Pra mim, são organizações mais velhas, pelo motivo de o seu paradigma de negócio será questionado. Até que ponto vender detalhes dos indivíduos sem que estes saibam é sustentável?

Não tenho dúvida que não é. XL: Quanto valem os nossos detalhes? J. M. A.-P. Só sabemos que essas organizações ganham muito dinheiro com eles e eu tenho o correto de saber quanto valem. Há que regular isso. Todo mundo apresenta ‘Concordo’ a um contrato que ninguém lê, entretanto como você terá um ótimo valor -de uma rede social, um motor de busca, acesso a produtos e…- e você não entende o que valem os seus detalhes, o utilizador concorda. J. M. A.-P. Assim se chama ‘o petróleo do século XXI’.

Falamos de organizações com receitas de publicidade billonarios e a amadurecer a 2 dígitos. O valor de meus dados é crítico para eles, em razão de lhes permite fazer uma publicidade mais segmentada. É lógico que compartilhem seus rendimentos com os usuários. Pra mim, as informações são como a dignidade: não conseguem ser desapropriados. São tão meus como meu direito ao serviço, à propriedade privada, ou o meu correto à autonomia. A transparência deve ser uma meta fundamental. Visto que há coisas que acontecem no universo digital que, como não conhecemos ou não vemos, não valorizamos.

  • Continue os Custos Baixos ao incluir no orçamento pra Evitar Gastos Excessivos
  • Obtém resultados analgésicos e anti-espasmódicos
  • Críticos com a gestora do PSOE em ‘berço’ de Susana Díaz
  • o Ex-Presidente do México – Adolfo López Mateos
  • 13:03 cccccccceeeeeeeeeeeeesssssssssss ->o cordoba a 1

o Teu projeto foi do arquiteto Gastão Lelarge e foi fabricado por iniciativa de José Liévano. Bogotá passou a ter 21.394 habitantes em 1801 por 100.000 em 1905, quer dizer, cinco vezes mais. Neste fato, apresentou-se fenómenos de especulação imobiliária, que teriam de ser um entrave pro desenvolvimento da capital.

O ano de 1910, é um marco pela história urbana de Bogotá. A maioria das obras do escultor francês Charles Raoul Verlet instaladas pela capital foram inauguradas durante esse período. No âmbito das mesmas comemorações, que contaram com uma célebre participação dos bogotanos, realizaram-se grandes desfiles militares, entre elas o do campo Da Madalena, perto do hipódromo.

Esse ano e em homenagem ao fundador da cidade, o espanhol Gonzalo Jiménez de Quesada, foi fundado o bairro Quesada, ao norte de Santa Fé, no entanto, ao ocidente de Chapinero. Na primeira década do século, em 1909, foi elaborado o palácio Echeverry, também de Lelarge, em terrenos do velho convento de Santa Clara.

Durante esta década foi formada assim como a basílica do Sagrado Coração de Jesus, projetada pelo arquiteto Julián Lombana, em frente ao obelisco e a praça Dos Mártires. Em 1917, foi formada a Comunidade de Embelezamento e Ornato, atual Nação de Melhoramentos e Ornato de Bogotá, que tinha como propósito específico a melhoria do espaço público.