No extenso da história, foram utilizados inmensuráveis sistemas de classificação de instrumentos musicais. O sistema mais utilizado divide os instrumentos em instrumentos de cordas, instrumentos de sopro e instrumentos de percussão. Entretanto, foram inventadas depois de as classificações.

Século IV. C. Esse esquema agrupa os instrumentos segundo a maneira como são construídos. Um exemplo deste sistema de classificação são os instrumentos feitos de madeira e os feitos de pedra, que se encontram em um mesmo grupo.

Bem mais tarde, ao longo da dinastia Ming (1700-2000), o erudito Chu Tsai Yu reconheceu três grupos: os instrumentos que usam a força muscular ou que são utilizados pro acompanhamento musical, que se fundem e os que são rítmicos. O esquema criado por Chu Tsai Yu foi possivelmente o primeiro tipo acadêmico. Os esquemas anteriores são só taxonomias convencionais, folclóricas. O sistema que classifica os instrumentos de sopro, cordas e percussão, usado pro século XXI, no Ocidente, remonta à antiga Grécia. Mais tarde, esta classificação foi ampliada por Martin Agricola, que distinguiu os instrumentos de cordas dedilhadas, como a guitarra, de instrumentos de corda friccionada, como violino.

  • Eu gosto os jogos de estratégia, em tão alto grau em jogos como o de mesa
  • 1970-1973: Anos de glória[editar]
  • 4 Rituais Yoruba, Congolés (Bantu) e Carabalí
  • Lionel Messi constrói o centro de câncer infantil superior
  • Park City (Parque Olímpico de Utah)

Esta classificação clássica aplica-se no tema de uma orquestra sinfônica, tal no que se diz à harmonia e observação musical, como pra direção. Os instrumentos de corda são todos de cordas. Os instrumentos de sopro são todos aerófonos.

Os instrumentos de percussão são distribuídas entre os grupos metonímia e idiofones. Os instrumentos de teclas podem ser de cordas, aerófonos, idiofones ou electrófonos. O único electrófono admitido como parte da orquestra sinfônica são as Ondas Martenot. Fora do fato da orquestra sinfônica podemos ver que os estudos formais de música (tais como:

mas, existem dificuldades com esse sistema. Foi visto às vezes em que os instrumentos não-ocidentais não se ajustam de maneira adequada a tal classificação. Tendo como exemplo, um aparelho velho, de nome serpentón, necessita ser classificado como um aparelho de vento, em razão de é um aparelho que se põe em marcha os lábios e produz o seu som ao ir ar a partir de uma coluna. Também há problemas com a classificação de certos instrumentos de teclado. Tendo como exemplo, o piano tem as cordas são batidas por martelos. Este instrumento gera confusão sobre isto se tem que ser classificado como um aparelho de corda ou como um aparelho de percussão. Por esta causa, os instrumentos de teclado são várias vezes considerados como pertencentes a uma categoria própria.

Ao perceber as categorias do sistema de classificação dos instrumentos, obtém-se uma classificação baseada, principalmente, na técnica necessária para tocar um aparelho. Aerófonos, por exemplo o órgão de tubos ou o oboé. O componente vibrante é uma coluna de ar. De cordas, tais como o piano ou violoncelo. Seu som é produzido por intermédio de pulsação de uma ou mais cordas.

Idiofones, como o xilofone. O aparelho vibra na sua plenitude. Por metonímia, por exemplo a bateria ou o kazoo. O componente vibrante é uma membrana tensa (também denominado como patch) feita de pele ou pele sintética. Mais tarde, Curt Sachs adicionou uma quinta ordem, os electrófonos, como o Theremín, que produzem um som por meios eletrônicos.

Dentro de cada classe há muitos subgrupos. O sistema vem sendo criticado e revisado nos últimos anos, porém continua sendo amplamente utilizado por etnomusicólogosl electroacusticos e organólogos. Os idiofones de metal são frequentemente chamados metalófonos. Os instrumentos de corda e percussão são mais semelhantes entre eles do que cada um dos outros instrumentos. Realmente, a subsistência do piano põe em causa o limite entre as cordas e a percussão. Tanto em instrumentos de corda como os de percussão, o som é produzido por intervenção de matéria no estado sólido (cordas, membranas), no tempo em que que os instrumentos de vento produzem som em consequência a matéria em estado gasoso (ar).

Em 1932, André Schaeffner montou um novo sistema de classificação que foi “exaustivo, que abrange todos os instrumentos reais e potencialmente imagináveis”. Normalmente, os instrumentos ocidentais assim como são classificados de acordo com tua faixa musical em comparação com outros instrumentos da mesma família.